quarta-feira, 24 de junho de 2009

24x (ou A história das Caixas)

Acordei com o celular vibrando uma nova mensagem de texto: "Bom dia, Aniversariante! Acabei de entrar no Ahrensburg que sai 7h55. =D". Olhei no relógio: 7:51. Bom, tenho uns 20 minutos. Levantei, lavei o rosto, arrumei o cabelo que tinha dormido preso, esquecido, de tao cansada que eu tava. Calcei a pantufa e fui fazer um café. Na cozinha estava o Willi lavando alguma coisa na pia, que nao prestei atencao. Eu me encostei no balcao, sonolenta, e gruni um bom dia em inglês, ao que ele se virou e perguntou "tired?", e eu gruni um "uhum", e deitei minha cabeca no meu braco apoiado. Eu nunca esperaria que ele lembrasse, porque ele nao lembrou do aniversário da Manuela, nem do dia das maes, nem de nenhum mês da Felia. Mas para a própria surpresa, ele falou "hey! It's your birthday today!" e eu "ja.....", meio descrente. Ele veio e me abracou uma abraco que eu nunca vou esquecer, porque a única e última vez que ele havia me abracado, tinha sido no dia 13 de Dezembro de 2008, quase exatos seis meses antes, quando fui recebida por eles no aeroporto.

Minutos depois chegou a Manuela. Em um braco, a Felia e seus olhos azuis. No outro braco, uma caixa enorme e linda, cheia de rosas estampadas. Ela disse: Eu tenho dois presentes, qual você quer? E eu ri e disse: quero esse aqui! E a abracei. Com ela já tenho tal intimidade.
Depois dei um beijinho na Felia e, claro, peguei a caixa com a boca aberta de espanto e de alegria. Ô caixa linda, meu Deus!! Linda.

A caixa linda estava quase vazia. (Sabiam que em alemao existe "quasi", palavra de igual significado e MUITO usada? Adoro ouvir!) Dentro eu encontrei: uma blusa da Felia, uma das primeiras que ela perdeu por crescer tao infelizmente rápido; um CD pirata, que o Willi gravou pra mim, um do Sting que eu ouvi no carro e amei; um outro CD que eles disseram ainda nao estar pronto; um desenho do Luca com "Herzliche Glückwünsche zum Geburtstag, Liebe Diana" escrito nele; um cartao com um texto IMENSO dentro, todo em alemao, que eles me fizeram ler na mesma hora.
Entre um parágrafo e outro, eu ia olhar na janela, pra ver se a minha visita já estava chegando. No segundo parágrafo eu a avistei.

Ela chegou de mochilao, dessa vez nao veio mancando, mas com o mesmo sorriso aliviado de me ver. Esperei por ela na porta de casa, porque lá fora estivesse muito frio e eu ainda estivesse de piajamas, e os alemaes nao gostam muito de ver pessoas de pijamas na rua, mesmo que seja em seus próprios jardins.

Super I! Minha super visita, super ajudante e super companhia de aniversário. =) Juntas nós fizemos o melhor e mais longo super aniversário da minha vida.
Mas, voltando ao cartao. A Inaê ficou na cozinha, de vez em quando trocando palavras em inglês com a Manuela, enquanto as duas me esperavam terminar de ler o texto infinito. Nao entendi uma palavra ou outra, mas à medida em que eu ia lendo, a água infinda que tem dentro do meu olho, guardadinha em algum lugar secreto, comecou a sair em rios, e nao parou até o dia seguinte.
Em todo o desenrolar desse dia e dos próximos, a única conclusao à qual qualquer espectador pode chegar é: eu tenho MUITA sorte.

Uma família totalmente estranha me recebe em sua casa por um ano, com a condicao de eu nao baguncar muito a casa deles e cuidar da bebê recém-nascida. Em seis meses, eles me escrevem um cartao que resumidamente diz que eu faco parte da família como filha, irma, amiga, integrante avulsa que mora já no coracao de cada um. Coberta de elogios e de presentes (e de lágrimas), segui meu caminho quase nada tortuoso pelo meu aniversário. Eu e a Inaê tínhamos mais ou menos uma hora, antes da Manuela voltar com a Felia da ginástica para bebês. 20 minutos antes da hora acabar, decidimos dormir. Mas eu acabei só perdendo tempo, porque nem arrumei meu quarto, nem tomei banho, nem fiz nada que eu tinha que fazer, nem dormi. Só deitei e pensei e enrolei, até que elas chegaram e eu tive que cuidar da minha baby.
A Felia adorou a super I. E este fato me salvou a semana. Vááárias vezes ela cuidou da Felia pra mim enquanto eu fazia whatever. E nao foi só isso.
Vamos do início.

A Manuela chegou em casa, e logo depois entrou no meu quarto com uma caixa dos correios (brasileiros), dizendo "esqueci de te entregar...". Eu nao entendi nada. Na caixa estava meu nome, meus enderecos, daqui e do Brasil, o nome da Julia, e a caixa toda fechada com fita adesiva, assim, intacta. Impossível. Como assim? Eles combinaram? Era disso que o Felipe falava? Como chegou no dia certo? Mil perguntas voaram pela minha cabeca num centésimo de segundo, e ao invés de tentar achar a resposta simplesmente peguei a caixa e tentei abrir. Foi difícil. Ajuda da Manuela, ajuda da tesoura, ajuda da Inaê, ops, nao, ela tava filmando, mas pronto! Abriu.

Comecava com um bilhete que dizia "Feliz aniversário. Festa na caixa! Porque o 24 na Alemanha merece o... Kit Verao Europa 2009!"
Eu nao cabia em mim de felicidade. Imediatamente comecei a desarrumar os objetos organizadamente arrumadinhos e encaixadinhos na caixa enorme. Fui tirando e abrindo um por um. Duas caixas cheias de coisinhas, uma almofada, um chapéu, havaianas, um cd, uma revista, vários montinhos de fotos, envelopes, cartoes, um desenho da minha priminha. Eu nao sabia por onde comecar!!! Olhei rápido coisa por coisa, vi as fotos rápido, uma por uma, fui passando pra Manuela ver também, e fui colocando os aderecos, o chapéu na cabeca, as havaianas no pé, os brincos na orelha, tinham tantos! Pena que só tenho duas orelhas. E fui falando, nem sei o que eu tava falando, mas eu só falava e ria, e abria meus presentes, minha festa na caixa! Ai, que delícia. A Inaê filmou tudinho. Foi lindo!! Peguei logo o telefone e liguei pra minha casa no Brasil. "Vocês sao loucooos!!!!" Mal eu sabia que do outro lado estavam todos na sala, na expectativa, e comecaram logo a rir e a gritar, assim que eu liguei.

A história foi a seguinte: há um mês todos preparavam a surpresa, sapecas e serelepes, sem que eu de nada desconfiasse. Na noite anterior havíamos nos falado, à meia noite daqui, para eles me darem os parabéns, e eu nao tava esperando nada de nada, porque o Felipe tinha me falado de um presente que ele tava fazendo pra mim, e que já tinha mandado, mas eu nunca esperaria que fosse chegar no dia certo. E nem ninguém. Mas eles mandaram por SEDEX!!! E isso significa que já deveria ter chegado há pelo menos dois dias. E assim foi. Mas a Manuela recebeu, nao me disse nada e escondeu a caixa no sótao. No dia certo me entregou, fazendo um complô com o povo brasileiro sem que eles soubessem, mas agradando a todos de modo que assim que eu contei o que ela tinha feito, a mamae gritou lá do outro lado "Manuela, I love you!!", pena que a Manuela nao estava no meu quarto na hora. Hahaha...

Mas estavam todos numa agitacao e num medo de que a caixa tivesse se perdido no caminho. E quando eu digo todos, isso quer dizer a família inteira, incluindo tios, primos, avós, papagaios e periquitos. Todos só falavam nisso. A caixa já chegou? E a caixa? Tia Fernanda ligava a cada 10min querendo saber notícias da caixa, a caixa era um ser vivo, um ente querido numa viagem perigosa e ninguém parava de pensar nela, ninguém deixava ela partir em paz, tadinha.
E na mesma hora que a Julia me escrevia uma SMS dizendo pra eu ir no correio daqui ver se nao tinha nada pra mim, eu liguei!! Quer timing melhor que esse??

Nao lembro se eu liguei antes ou depois de ver e rever e ler e reler tudo, mas nao faltaram lágrimas. E a surpresa maior foi o cartao da Dona Dal, com a foto dela, que me fizeram chorar feliz e saudosa. Linda, ela.
Na sequência foram hoooooras no skype, falando com mae, com irmas, com amigos, com namorado, com pai, com boadrasta, com irmaos, com.. ufa. Só saí do telefone no fim da tarde, e corri pra me arrumar pro jantar que o Willi e a Manuela ofereceram para nós.

Claro, nas conversas rolou mais chororô, com a narrativa do cartao e do presente do povo daqui, e com a homenagem que meu pai fez, me oferecendo uma música country superbrega, (com direito a coreografia e tudo!), que me fez chorar às pampas e me faz ainda agora, só de lembrar...

Depois das conversas, o jantar. Fomos a um restaurante português, cuidadosamente calculado pra que eu pudesse falar português com os garcons, e assim eu fiz, principalmente na hora que eu e a super I vimos no cardápio um prato que chamava "Gamba". Nos olhamos desconfiadas, as duas pensando a mesma coisa: Eles comem Gambá???? Chamamos o garcom e eu perguntei: Sprechen Sie Portugiesisch? E ele respondeu: "Mas é claro, pois, sou português!" Com aquele sotaque bem conhecido de todos nós.
Ele explicou que Gambas sao camaroes, mas em tamanho maior. E ele nao conhecia o bicho que conhecemos por Gambá, e nao teve a paciência de ouvir a nossa explicacao de qual bicho seria, entao ficamos sem saber como os portugueses chamam Gambá em Portugal.
A comida nao estava a mais deliciosa do mundo, mas tivemos uma noite agradável. Na volta encontramos a Eva, a vó que ficou cuidando das criancas pra podermos sair, e dela ganhei uma caixa de biscoitos finos que comemos como sobremesa, junto com uma rodada de Baileys.

Depois do Baileys, do biscoito e do papo, lá vamos nós de volta ao skype. Estava rolando a festa de aniversário do papai (ele é do dia 10 e eu do dia 11), entao eu pude falar com o resto do outro lado da família - nao todos, mas valeu. Um pouco de alemao com tio Paulo Cunha (com direito a elogios à minha pronúncia, cof cof), os tios, o pai, os irmaos, o namorado, a boadrasta, ufa! Só depois que eu percebi que eles estavam só me enrolando, pra eu nao ir dormir e poder esperar a próxima surpresa...

E foi às duas da manha, quasi, que o presente número 263749240 saiu do forno. Poupando palavras, aí vai:

presente número 263749240 pradiana

Resumindo: eu tenho uma família de loucos (amigos inklusive) que armam um plano infalível friamente calculado, com todos os detalhes possíveis e imagináveis cuidadosamente pensados pra me fazer chorar. Mas eu nao chorei de tristeza por nao estar do lado deles, eu chorei de alegria por tê-los tao perto, mesmo tao longe, por ver o trabalho que eles todos tiveram, e a preocupacao de cada um em me fazer sentir assim, amada e vermisst (esqueci a palavra em português agora). (Olhei no dicionário - nao tem! =O) (significa que eles sentem minha falta.) E é por essas e outras que eu continuo a concluir, e acho que vocês também: eu sou muito sortuda, nao sou nao?

=D

AMO VOCÊS, família enorme de linda, e amigos-irmaos amados e lindos! Obrigada por TUDO!!!!! =)

4 comentários:

Mel Bleil Gallo disse...

nossa di! que coisa mais linda! como é linda nossa família! e como é bom ser dessa família! e como é bom ver que existe tanto, mas taaanto amor nesse mundo!

te amo! =*

Filipe Barata disse...

Sintetizando teu post em uma frase: és uma pessoa abençoada!

;***

Fernanda Fernandes disse...

que lindo! parabéns atrasado!!

Alu Almeida disse...

Hoje assisti o DVD "Elas cantam Roberto" e lembrei de você. Ele convidou várias divas para cantar suas canções: Ivete, Daniela, Nana, Fafá, Ana Carolina, etc. E no final cantaram juntos "...mas como é grande o meu amor por você!"
Te amo!
Domingo tem festinha do Bibi.
Beijos