terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Do tempo que o dia ganha todo dia.

A primeira coisa que me surpreendeu, no primeiro dia que eu estive aqui, foi a hora que o sol se pôs. Estávamos num Weihnachtsmarkt (váinartsmárkt) em uma fazenda, chegamos lá de manha, e algumas horas depois já estava completamente escuro. A primeira coisa que eu pensei foi que nao tinha notado o tempo passar. Perguntei que horas eram: hum, três e meia. (!!!!!) Como assim três e meia? Da tarde? É.
E agora, dia 13 de Janeiro, a tarde se estica a cada dia, e cada vez mais rápido. Ontem olhei meu teto solar, ainda estava claro, no lusco fusco da tarde. (essa expressao só me lembra A Euterpia) Olhei no relógio: 17h.
Minha maior dúvida nao era por quê isto se dá, mas sim como. Será que o sol anda mais rápido? Que a Terra está girando num ângulo que aqui é mais rápido, mas em Belém é a mesma coisa? Nao faz sentido. E aí reparei que o sol nao faz o seu trajeto natural. Nao nasce no leste, sobe, sobe, fica lá em cima e desce para se pôr no oeste. Ele faz uma caminho engracado, anda pelo céu na horizontal, e se poe alguns "metros" distante do ponto onde nasceu. Ele nao chega a subir!
Isso faz com que os dias sejam curtos, mas muito claros e numa temperatura baixa, porque os raios do sol nao chegam de fato a esquentar. E o tempo inteiro, enquanto ele está lá, a luz é de 7 e meia da manha! =)


PS: Conversando com a Janine outro dia, chegamos à conclusao de que enquanto o Brasil está no "passado" em relacao à Alemanha, a Austrália está no "futuro". Se a Alemanha é o zero, o Brasil está no -4 e a Austrália no +9! Entao enquanto nós estamos almocando, a minha família está tomando café da manha e a dela está jantando! Nao é legal?

2 comentários:

Silvia de disse...

mana...fiquei impressionada com esta história do sol...faz muito sentido! será que estas certa???

adorei!


beijos

Julia Leão disse...

Eras, eu iria sentir muita falta do sol escaldante que dói na pele, na vista e faz suar. Não que eu ame, mas a gente tá tão acostumada, né não?