segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Girls just wanna have fun.

Lua cheia. Noite clara. Madrugada de Sábado. Isso pode ter muitos significados. Pra uns pode ser desculpa pra encher a cara. Pra outros, o clima perfeito pra uma noite romântica. Pra mim, bem... Saudade do meu namorado. E eu tenho certeza que é culpa da lua o meu cabelo estar assim.
As meninas me chamaram pra sair. Que meninas? Nem eu sei direito. Uma delas é brasileira de Belo Horizonte, conversei com ela por Msn. A outra é canadense, me adicionou no facebook. Eu disse que eu ia, fiz mapa e tudo, mas put grila, que cabelo é esse?!
Ah, já era, eu disse que eu ia, agora eu vou. Fui.

Marcamos o encontro na casa da Shannon, a canadense (lógico). Segui meu mapa à risca, copiado do google maps. Cheguei no número 22. Uma casa branca enorme, com muitos apartamentos, sem porteiro. Acho que nenhum prédio daqui tem porteiro. Tinha o porteiro eletrônico, com um sobrenome em cada botao, mas dela eu só sei o nome, e nem o sobrenome deve estar aqui, porque a casa nao é dela. E agora! Celular sem crédito. Nem o número dela eu tenho, mas eu podia ligar pra brasileira... Ai, isso que dá ser despreparada.
Ouvi alguém falando inglês, se aproximando. "Yes, I'm in front of the building..." É a Patrícia! (A brasileira, lógico.) Que sorte!
A Shannon mora na casa da família que a recebeu aqui, do mesmo jeito que eu. Ela também é Au Pair, e tem um quarto com entrada própria e banheiro. Também herdou toda a lou(SS)a, os móveis e objetos de decoracao que a família nao usava mais e nao tinha onde enfiar, a diferenca é que a minha família tem um porao que talvez seja maior que a própria casa, e a sala de objetos-que-nao-estao-sendo-usados é uma piscina. Enorme (da minha altura, e com uns três metros e pouco de largura). Ahan. No porao.
Mais duas garotas juntaram-se a nós. Uma finlandesa e uma russa. Na verdade eu que me juntei a elas. Bom, fiquei logo louca para encher as duas de perguntas sobre seus respectivos países, mas me contive. Not for long, of course. =)
O objetivo do encontro prévio era economizar na bebida. Bebendo lá, elas nao precisariam pagar os drinks caros do bar, só no máximo algumas cervejas...
Eu me contentaria com a minha fanta laranja e meu redbull, mas acabei tomando um copo. Tava bem gostoso. Mas um já tá bom, nao queremos ficar porres no país alheio, né? Pelo menos eu nao quero. =P
Fomos pra uma festa numa casa noturna famosa daqui. O nome da festa era algo com MIX80. Só ia tocar música anos 80. Ficamos nos perguntando o porquê do "Mix". A Patrícia descobriu que era misturado gays e heteros, homens e mulheres, todo mundo. Reza a lenda que festas gays, ao menos em Belém, sao as melhores. Como minha intencao era só dancar sem nem abrir os olhos, fui empolgada e até tomei banho e me vesti ao som da trilha sonora de "Grease" (apesar de Grease ser do final dos anos 70).
Chegamos na tal festa e descobrimos que, sim, a música era anos 80. Década em que nascemos, todas nós na casa dos 20. Mas as pessoas da festa, durante a década de 80 estavam na casa dos 20, 30 ou até mesmo 40... Tinha gente muito velha lá! Quase saímos correndo. Mas nao. Saímos andando.
Pitstop no Burger's King (me arrependo profundamente de nao ter comido nada), e voltamos pro metrô.
Agora vamos pra festa de verdade. Só nao contem pros nossos pais... Estamos na Reeperbahn! (se lê assim mesmo.) A rua principal do red light district mais famoso. Nao sei se da Alemanha, da Europa ou do Mundo. Sei que é famoso. St. Pauli, suas prostitutas, seus sexshops, sua rua-onde-só-homem-pode-entrar. (Tem portao e tudo!) St Pauli e seus bares lotados, suas ruas lotadas, suas calcadas lotadas, suas luzes, suas cores... Gente, é uma loucura! Quem está atrás de farra está no lugar certo.
Entramos em um bar X, onde tocava uma música alta, meio rock, meio techno, meio alterna, uma coisa assim, meio dancante, entao entramos e dancamos. Só isso! Nao tem dessa de sentar numa mesa, ficar conversando e comendo nao. O bar é uma pista de danca, e lotada. Dancei que suei! É muito bom ser turista. A chance de esbarrar em algum conhecido é alguma coisa abaixo de 1%. E mesmo assim, aqui ninguém tá nem aí. Acho que eu era a única prestando atencao em como os outros dancavam engracado!
Depois de algum tempo, saímos de lá e fomos atrás de outro lugar. Entramos num Irish Pub que chamava "99 cents". Tudo que era drink ali custava 99 centavos de euro. Elas pediram uma vodca pra cada e, quando veio, veio num copo menor que o de tequila. Snaps! (Eu pedi uma água com gás e, bem, veio em um copo tamanho normal.)
De lá saímos e entramos num lugar onde na frente se lia "sportsbar". A garconete-dona era uma velha meio gorda, do cabelao preto e cheia de tatoos. As pessoas ao redor tinham cabelos espetados com gel, alguns com moicano, alguns (muitos) com cabelos coloridos, todos com muitos piercings, de preto, maquiagem no rosto.... Música: punkrock. Garconete: punkrock. Pessoas: Punks. Gente, eu entrei num bar punk! kkk
As meninas pediram uma cerveja ruim, uns caras estranhos puxaram papo, e na primeira oportunidade, saímos.
Tava muito frio lá fora!! A melhor coisa em ser turista - isso foi comentado entre nós - é que essa é a desculpa perfeita pra qualquer idiotice que você fizer. A gente pega ônibus pro lado errado, compra o bilhete de metrô errado, atravessa a rua com o sinal vermelho, quase perde o trem porque nao consegue abrir a porta (é, eu.)... E nada disso importa, é só virar e dizer "Hey! I'm a tourist!", e as pessoas param de te olhar, seguem com as suas vidas e te deixam em paz.
Nós soubemos aproveitar bem essa vantagem. Na hora do frio, andar na rua pulando e dancando (mas aqui nao tem música! Kein Problem. Vamos cantar!) e cantando alto... Parando no meio da calcada e fazendo uma rodinha apertada pra barrar o vento, enquanto decidíamos a next stop...
Bem, tava muito frio, entao entramos no primeiro bar mais decente que apareceu. Ao contrário dos anteriores, esse era um "Rauchen Bar" (raurren bar), o que significa que pode fumar lá dentro. Já tomei dois banhos e o cheiro de cigarro ainda nao saiu do cabelo.
Enfim. Tinha uma mesa de pebolim, futebol de mesa, como queiram. Aquele "tró(SS)o" com bonequinhos que dao cambalhota mas nunca andam, tadinhos... E as meninas prontamente arranjaram uma moeda para jogar.
Cinco mulheres, quatro delas muito bonitas, jogando futebol de mesa. Imediatamente lotou de homem ao redor pra assistir. Ô vergonha... Eu nunca tive coordenacao motora pra esse jogo... Mas vá, até que me saí bem. E eu e a Shannon ganhamos!
Assim que saímos de cena chegaram dois garotos querendo jogar com elas. Eles jogaram umas seis rodadas, os meninos contra Patrícia e Jen (a russa).
Bom, pra mim o resto da noite se resumiu a dancar, jogar e descansar. Eu estava morta e faminta. Tô muito velha pra essas coisas...
Cheguei em casa às 7h da manha. Na próxima vez eu prometo que chego às 6. =P

2 comentários:

Julia Leão disse...

a parte do 'e até tomei banho' me fez pensar que só tomas banho de três em três dias. CREDO! hahahha...

Diana disse...

eu sou a única pessoa nesse país que toma banho todos os dias. kkk
eu disse "e até tomei banho e me vesti AO SOM DE GREASE" =p sua chata! kkk